Adeus, Travessa do Possolo

14 02 2013

…. Olá, Rua Maria Alice.

Pois é. Sabemos que parece mentira, mas hoje não é dia 1 de Abril. Sim, estamos perto do Carnaval, época dada a muitas brincadeiras e travessuras… mas esta é a verdade: estamos de partida.

A sede do ISU está de malas e bagagens quase prontas e dentro de poucas semanas, irá deixar este espaço na Travessa do Possolo, para se instalar no nosso espaço em uptown Lisbon, mais conhecido por Bairro da Cruz Vermelha, na Alta de Lisboa, Lumiar. Para muitos de vós este será já um espaço familiar, para outros, nem tanto assim.

Por aqui, na Travessa, amontoam-se os caixotes, dossiers, papeladas, cartazes, panos, livros e tudo o que mais possam imaginar de pelos menos 20 anos de história aqui passada, que serão levados para a nova sede.

No entanto, há muitas coisas que estão gravadas neste espaço, nesta casa, que não conseguimos encaixotar:

Foram muitas as horas de partilha…

…. reflexão conjunta… trabalho em equipa… planeamento… a pensar o desenvolvimento… a receber pessoas… a formar voluntários… a reunir ideias e articular competências… a pensar em parceria… noites longas de trabalho, convívio, formações…. crescimento humano… desconstrução de ideias… desenvolvimento de projectos…

Todas estas coisas foram vividas por todos nós e este espaço também é inevitavelmente uma marca do ISU. Não podemos ficar indiferentes a esta GRANDE MUDANÇA e por isso, gostaríamos de convidar todos os voluntários e amigos do ISU para uma festa de despedida da Travessa do Possolo.

Vamos celebrar em conjunto e a nossa proposta é um almoço partilhado já no dia 16 de Fevereiro (próximo sábado). As festas terão início às 13h00. 

Contamos com todos e todas vós,

Cá vos esperamos, confirmem a vossa presença para o e-mail do CFV!

480717_488273644551808_148810413_n

Um abraço de até já,

ISU (Paula Mendes)





Está a acabar o ano de 2009…

31 12 2009

Está a acabar o ano de 2009, o ano em que o ISU completou 20 anos…
Todos os que estivémos envolvidos na organização sentimos que cumprimos a nossa ideia inicial…

Reencontrar as pessoas e celebrar os momentos…
Deixar escrito aquilo que foram os 20 anos de tanta coisa feita…


Mas como o ISU somos todos nós e aquilo que em nós fez, fazemos um último apelo à escrita de testemunhos, de maneira a que esse registo predure e que este manancial de informação que se recolheu possa servir de testemunho, de exemplo, de integração de quantos estarão no ISU nos próximos 20 anos…

Um esforço e deixe o seu testemunho…

Obrigada e votos de um ótimo 2010
A Direcção do ISU





Filme – O que é o ISU?

10 12 2009

 

 http://www.vimeo.com/7754915





Obrigado a todos – Tozé Sarmento

5 12 2009

Caríssimos todos,

Festejamos no dia 21 de Novembro, com inexcedível dignidade e fantástico ambiente, os nossos 20 anos do ISU. Foi por certo muito gratificante para todos os que conseguiram vir encontrar “velhas” caras, mas também reparar que o ISU segue em frente com o mesmo estilo e entusiasmo de quando por aqui passaram; misturaram-se muitas gerações neste fim de tarde, desde alguns voluntários de S.Tomé, “os da primeira hora”, como o Pedro Calado, com os seus 5 filhos, e o Paulo Martins, outros da altura da “fundação”, como o Júlio César Pinheiro, alguns que tínhamos perdido, companheiros da ida a Macau, como a Isabel e a Carmo, até aos mais recentes Nô Djunta Mon, quase recém-chegados, passando pelo Filipe e a Filipa, do Núcleo de Gaia e pela abundante e qualificada representação de Viseu… Gosto especial tivemos em ver “os miúdos da Quinta Grande”, e estes de estarem com a Alexandra e com outros antigos colaboradores do “bairro”; de ouvir o sempre entusiasta Amadeu Oliveira, vindo de propósito de Cabo Verde; de ver a Rocio, do mais ISU que existe vinda de Barcelona; ou de rever ou ficar a conhecer a Dª Berta da Guiné-Bissau, que não quis deixar de se juntar a nós neste dia, depois de receber vagas e vagas de voluntários do ISU em Bissau…

Enfim, foram uns festejos “ao nível” do ISU e da equipa que os promoveu (a Catarina Baptista, Mónica Azevedo, Luísa Duarte, Alexandra Santos, Carmo Fernandes e Maria Goes), com o imenso apoio da equipa actual… da Cátia Lopes, do Euprémio Scarpa, do João Barata, da Mafalda Sarmento, da Ana Adega e da Rita Leote, que estão de parabéns e a quem em nome de todos agradeço.

Da tarde do dia 21 (cuja a parte festiva foi fantasticamente organizada pela Luisa Duarte e pela Catarina Baptista) fez parte uma curiosa e notável intervenção do Prof. Roque Amaro, nosso velho conhecido e amigo na Quinta Grande, na formação de voluntários, na Guiné-Bissau e em Cabo Verde. Quem o ouvisse ficava com a ideia a de que o ISU é a chave e a solução do futuro do mundo todo, e pelos vistos, arredores. Foi curioso como identificou potencialidades que se calhar não são só do ISU, mas que sem dúvida são e serão de muitos que, depois de passarem pelo ISU e vivendo o “estilo” da nossa proposta de voluntariado – uma maneira de reflectir activa e séria sobre o que fazemos, de não desistir de encontrar soluções verdadeiras e “sustentáveis”, num ambiente de participação efectiva de que somos um pouco escola, as procuram efectivar onde quer que estejam e qualquer que seja o seu papel por este mundo fora…

Olhando para os 20 anos passados, para o que se foi dizendo nos testemunhos, e para o que se viveu neste fim de tarde – e sem repetir aqui os discursos da ocasião e o muito que se escreveu para esse dia –, se calhar não somos chamados a tanto como nos augurava o Prof. Roque Amaro, mas vê-se que há bom caminho percorrido, que valeu a pena, e em cada um dos que por aqui passaram estão boas sementes para no sítio de cada um, organizadamente ou cada qual no que tem que fazer no seu dia-a-dia, pôr em prática um estilo e uma responsabilidade, uma inquietação transformadora que não deixará de dar frutos bem úteis e se calhar grandiosos.

O ISU, por sua vez, irá sendo como a escola fiel por onde muitos mais farão os seus percursos de descoberta do voluntariado, da cooperação, da dinamização da educação para o desenvolvimento e especialmente dum estilo que nos faz perceber que valemos bem mais do que pensávamos e que temos muito mais a aprender do que presumíamos, mas que aí está a razão da eficácia da nossa maneira de actuar…

Tanto para os que conseguiram vir como para os que não lhes foi possível, gostava de lhes lembrar que com estes festejos vieram também duas ou três coisas que convidamos todos a “revisitar”:

Site dos 20 anos – tínhamos inicialmente pensado fazer um livro, mas um site onde se juntasse a história e testemunhos destes 20 anos de actividades… e depois se fechasse e ficasse sempre acessível para quem o quisesse consultar, pareceu-nos ainda melhor ideia! Veja-o (em breve aqui no site) em e procure reencontrar-se nas velhas histórias ou fotografias… e fique com pena de não ter dito nada “para a história” que vai fechar por estes dias… Foi obra especialmente da Mónica, da Alexandra e da Carminho, que fizeram um trabalho excelente!

Filme “O que é o ISU?” – explicar o ISU em 12m é obra, mas não ficou mal. Vai passar a ser o nosso filme “institucional”, mas para todos os que não o viram ou quem o queira rever, ficará com um link no site até ao Natal, pelo menos; vale a pena ficar a conhecê-lo, e agradecer à Cátia, à Ana Adega, à Carminho, ao André e aos “figurantes” todos que lá aparecem…

Boletim do ISU de Novembro09 – que não foi feito como um boletim dos 20 anos, mas que saiu neste dia para que saibam e fique registado a constância do que andávamos a fazer por esta altura… E aqui obrigado à Mafalda e à Rita Leote pela sua elaboração…

Por fim, e não menos importante, tenho de vos dizer que tanto festejo custou dinheiro, e que como sempre não abundamos nele, e ainda menos para actividades como estas. Quem quiser contribuir para as despesas destes dias (receberá um lindo e oportuno recibo, bem útil para o IRS) ou quiser aproveitar para por as quotas em dia (Voluntário do ISU no activo (Grátis); Antigo Voluntário do ISU (25 €); Outros (60 €), (com perdão das quotas dos anos anteriores todos se pagar já duma assentada 2009 e 2010), basta fazer uma transferência para o NIB 0033 0000 0002 2037237 05, dizendo logo os seus dados e a que se refere, ou mandando a seguir um mail para geral@isu.pt com essas indicações.

Começam agora os outros 20 anos; nesta surpreendente permanência, havemos de nos encontrar muitas outras vezes nos próximos tempos. Penso que sabemos cada vez melhor o que somos e queremos ser, apesar de não nos furtarmos aos desafios do que vai mudando e das boas sugestões: cá estaremos, nós ou outros… até daqui a 20 anos?

 Cumprimentos,

Tozé Sarmento





1 12 2009

Boletim_Nov09





Fotografias dos 20 Anos do ISU

24 11 2009




Primeiras Impressões do Encontro

23 11 2009

Estive presente, no decorrer da tarde de ontem, na comemoração dos 20 anos de existência do ISU (Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária) que decorreu no Museu da Cidade de Lisboa e, deste modo, não posso deixar de marcar e transmitir o evento, bem como, voltar a assinalar o ISU, a sua missão e actividade. O ISU integra a plataforma das ONGD’s (Organizações Não-Governamentais para o Desenvolvimento) Portuguesas desde 1991. A sua actuação é baseada em três pilares fundamentais que são o Voluntariado, a Cooperação e Educação para o Desenvolvimento e a Exclusão Social.

 

Ao longo destes 20 anos de vida o ISU cresceu e aquilo que era inicialmente uma garagem algures em Lisboa transformou-se numa série de núcleos espalhados pelo país, actualmente contamos com os núcleos da Alta de Lisboa, Viseu, Viana do Castelo, Faro e Gaia, não esquecendo a sede localizada em Lisboa. Inicialmente com a sua actividade centrada no apoio e integração aos estudantes universitários dos PALOP em Lisboa, o ISU tem vindo a desenvolver exponencialmente o seu leque de actividades. Hoje em dia, a sua acção vai desde o desenvolvimento de projectos de intervenção à sensibilização para a solidariedade e cooperação mútua.

Desde 2007 sou voluntário do núcleo do ISU de Viseu. Foi no ISU Viseu que tive oportunidade de ampliar a minha visão do Mundo e das suas assimetrias. Sempre difícil, a descrição do crescimento e aprendizagem que obtive graças a este projecto, conclui-se que não é transmissível em poucas linhas e palavras.

Durante a comemoração dos 20 anos do ISU destaco a soberba intervenção do Prof.º Roque Amaro que para além de reconhecer o trabalho levado a cabo pelo ISU nestes vinte anos soube transmitir uma posição crítica lançando desafios extremamente estimulantes para o futuro da organização e acções a realizar e a amadurecer. A comemoração contou com a presença dos quadros de direcção, diversos voluntários dos vários núcleos do ISU, estudantes dos PALOP, membros das Embaixadas dos PALOP em Portugal entre outras entidades. Merece do mesmo modo destaque a intervenção de António José Sarmento (Presidente do ISU) que decorreu conforme já nos tem habituado e a visualização de um filme com testemunhos e clips dos 20 anos do ISU, que transmitiu recordações e saudades inigualáveis mesmo aos que à pouco tempo se juntaram à causa, tal como eu.

Não posso deixar de transmitir o meu percurso individual no ISU (núcleo de Viseu) para melhor entenderem qual o percurso do próprio núcleo e fomentar a curiosidade pela sua actividade. Como já referi desde 2007 que pertenço ao grupo de voluntários do ISU. Inicialmente integrei a formação geral de voluntários promovida pela ONGD e, movido pela curiosidade e causas, fui participando cada vez mais nas actividades do núcleo. Em 2008 após completar a formação específica de voluntariado com vista ao desenvolvimento do Projecto No Djunta Mon, fui seleccionado para a equipa de voluntários que iria partir para a Ilha do Fogo em Cabo Verde. Os projectos No Djunta Mon são uma das actividades mais importantes do ISU se é que podemos comparar o grau de importância entre elas. Desenvolvido o projecto No Djunta Mon na Ilha do Fogo, esta primeira edição levada a cabo pelo núcleo de Viseu, na qual participei, trouxe na bagagem resultados fantásticos e boas perspectivas de consolidação no futuro. De regresso à base, preparar novamente o futuro e novos rumos, bem como, amadurecer os projectos já iniciados eram os desafios. Para além dos diversos projectos que o ISU-Viseu desenvolvia coube-me a mim pensar um dos novos projectos. Eis que surge a ideia do Escolas Saudáveis. O projecto Escolas Saudáveis inicia em 2009 sob a minha coordenação e implantação no terreno. Um projecto que, tal como o No Djunta Mon, me obrigou a despoletar a curiosidade, atingir objectivos, ampliar capacidades e constitui um desafio francamente positivo.

Na senda da comemoração dos 20 anos do ISU, os voluntários tiveram a oportunidade de deixar os seus testemunhos dos quais eu não podia estar ausente, fica um excerto:

O ‘No Djunta Mon’ foi o ponto alto (e custa-me inferiorizar momentos passados ao serviço dos bombeiros) da minha vida quanto ao relacionamento com as pessoas, a percepção de desigualdades, a obrigação de lutarmos por uma sociedade melhor e mais justa. Foi um projecto que me mudou, quando digo isto não significa que tenha mudado a minha personalidade, mas mudou algo mais importante. O projecto ‘No Djunta Mon’ abre-nos um mundo de questões. Questões que nos levam ao interesse por toda a injustiça no mundo, foi de lá que trouxe um espírito inconformado que me faz actuar sempre que possível na redução das injustiças e desigualdades sociais.
Chegados a Portugal, não baixamos os braços, o ISU-Viseu continua em força e espero que por muito tempo.

Com a ambição de continuar a ajudar na missão do ISU por muitos anos é ponto assente que aquilo que ganhei ajudando os outros foi exponencialmente maior do que o esforço levado a cabo para ajudar. Seguidamente explicarei os pontos fundamentais dos projectos No Djunta Mon e Escolas Saudáveis em posts para esse efeito. Termino com a seguinte transcrição do ISU:

O ISU aposta no voluntariado como forma de participação activa na sociedade, de cooperação mútua, de multiculturalidade, de tolerância e de abertura a desafios. É este o cunho subjacente às áreas de acção do ISU que constituem diferentes projectos com objectivos próprios.

 

Daniel Rodrigues (ISU-Viseu)